27 de mai de 2016

[ANÁLISE] Como Eu Era Antes de Você, Jojo Moyes

Não sei por onde começar a resenha. Sinceramente. Poucos livros me deixam na situação em que me encontro agora – o último foi “A História de Nós Dois”, de Dani Atkins. Não terminei esse livro aos prantos (como tinha certeza que terminaria), mas estou desolada.




Eu sempre fui fã de spoilers e por ser muito ansiosa, sempre preferi saber o final dos livros, entretanto, foi bem difícil arrancar uma revelação das pessoas. Graças a minha amiga (a mesma que me emprestou o livro) é que estou controlada.

Eu não quero fazer dessa análise uma história, mas sinto a necessidade de expor tudo o que penso sobre o romance. Se vocês quiserem pular direto para a resenha, fiquem à vontade. Caso queiram minhas opiniões mais sinceras, “sentem que lá vem história”.



SINOPSE: "Louisa Clark é excêntrica e peculiar. Tem seu próprio modo de ver o mundo, adora roupas coloridas e cabelos de Princesa Leia. Aos 26 anos tem uma vida confortável em Londres e nunca teve ambições ou perspectivas, então quando o café aonde ela trabalha fecha, ela se vê perdida, sem rumo e não tem a menor ideia do que fazer.
Após algumas entrevistas e empregos que não deram certo de jeito nenhum, Lou recebe uma vaga de emprego como cuidadora assistente. Então, como ela era a principal provedora para sua família, aceita fazer uma entrevista e à partir daí, sua vida começa a ficar interessante."


 
48 Horas de Louisa & Will
 
Desde o começo do ano, fui inundada por uma onda de “Como Eu Era Antes de Você” e como sou bem do contra, garanti que não leria até as pessoas terem perdido o interesse. Entretanto, cada vez mais surgiam resenhas e opiniões positivas e (juro de pés juntos) ainda não encontrei nenhuma resenha negativa à história de Louisa e Will, só isso já bastou para me intrigar bastante. Depois, o fato de minha amiga ter lido o livro e falado maravilhas dele já me deixou mais intrigada ainda, mas só depois de ver que vai sair um filme baseado no romance e saber que a poeira não vai baixar tão cedo decidi que iria me render aos encantos da Jojo.

Busquei desesperadamente por spoiler, precisava saber o que o livro tinha de tão triste afinal e quando descobri, fiquei perplexa – creio que, da mesma maneira que Lou ficou quando descobriu tudo. No decorrer das páginas, relaxei, acreditei nos poderes persuasivos de Lou, mas fui vencida enfim, por saber que “homens como Will raramente mudam de ideia”.


Falando do livro em si temos a visão de quase todos os envolvidos na primeira pessoa e por vezes me senti lendo um diário muito secreto, confidencial. Pude sentir o desespero que espreitava todos os cantos, a esperança que – convenhamos – só era sustentada por Lou, a tristeza que era o fantasma daquela enorme mansão e a vida que de qualquer maneira seguia em frente.


Louisa é aquela personagem “universal” que faz com que quase todas as pessoas se identifiquem com ela de certo modo. Eu, por exemplo, uso “aquelas coisas que... parecem a Princesa Leia” e, como Lou Clark, fui completamente mudada por algo que me fez dar um novo sentido a minha vida, esquecendo completamente a garota que fui há um tempo atrás.
Por outro lado, Louisa me deu nos nervos pela sua infantilidade e o modo de querer preencher o silêncio com qualquer coisa fútil a se falar.

Katrina me deixou com muita raiva, algumas vezes ela foi bem útil, mas na maioria delas, era irritante, soberba, dona-da-razão e egoísta. Colocando suas prioridades acima de qualquer coisa – muitas vezes, até por cima das necessidades do filho. Mas acho que é isso que fazem as irmãs mais novas, não é?! Precisam ser o centro da atenção, mas com raras exceções (falo por experiência própria). Contudo, elas se amavam e a gente sempre volta pra família.


Camila Traynor me deixou com a terrível sensação de estar sendo avaliada, mesmo quando eu estava apenas lendo sobre Lou. Não consigo imaginar sua situação, mas não consigo entender sua postura. Imagino que, ela deveria ter algum problema para expor seus sentimentos, mas oras... Ela poderia ter saído do personagem, para mostrar que ela era humana, real.


Nathan e o Sr. Traynor bem... Estavam lá. Não tenho o que dizer sobre eles. São neutros como a Suiça para mim (entendam a referência).


Patrick... Acho que não existe adjetivo no mundo capaz de descrevê-lo. Louisa devia estar desesperada ao arrumar um homem como ele ou era vulnerável quanto a se apaixonar. Patrick era um obsessivo, viciado... em endorfina! Cara, por muitas vezes eu gostaria de entrar no livro e falar “Seu idiota, você está perdendo a garota mais peculiar e excêntrica que eu já ouvi falar... Para de correr dela e corra para ela”. Porém, no fundo sei que qualquer esforço iria ser em vão. Assim como Will, ele não mudaria de ideia. Ambos estavam presos, de certa forma.


E por último, mas não menos importante: Will Traynor. Eu sinceramente não vi o trailer do filme, mas vi uma foto do ator e acho, que mesmo se não tivesse visto essa foto, minha mente iria desenhar um cara parecido. Traynor é tetraplégico, está preso numa casa sem graça, com uma vida sem graça, sua ex-namorada vai se casar com seu ex-melhor amigo, a maioria das pessoas agiam tentando demonstrar naturalidade – fazendo tudo parecer superficial, olha... a vida dele não podia estar melhor. Imagino que a chegada de Louisa em sua vida, foi um pingo de tinta de arco-íris num quadro cinza (porque para mim, essa é a cor mais triste que existe).
Pelo que entendi, antes do acidente, Will tinha tudo, menos sensibilidade... Era o homem de negócios bonito, rico, aventureiro, que tinha as roupas mais caras e as mais belas mulheres que existem ao seu dispor. Depois daquele dia em 2007, nunca mais ia ser o mesmo. Ainda era podre de rico, ainda era bonito... mas e o resto? Ouso imaginar que, se ele tivesse uma família diferente, sua decisão podia ser outra. Apoio? Claro! Mas demonstrações de afeto, uma família, amigos, paciência moldariam um Will diferente.


Sei que não adianta fazer conjecturas, pois (incrivelmente) a vida dessas pessoas é tão sólida quanto um pedaço de papel, na verdade, eles não existem de fato. Mas estou sofrendo um forte impacto, uma forte comoção, quero abraçar Louisa, quero abraçar Will, quero dar um chute no saco do Patrick, quero ver o amor mudar tudo...
Estamos acostumados a ver o amor verdadeiro vencer, mas na maioria das vezes, ele não vence. “Como Eu Era Antes de Você” é um livro extremamente realista, extremamente impactante.

Jojo Moyes não se perdeu em sua história, mas abordou sutilmente e cautelosamente temas que acontecem quase sempre e não damos a mínima, não queremos saber. Cada livro que leio tem um impacto direto no meu modo de pensar, creio que a partir de hoje observarei as ruas da minha cidade, cada desnível, cada buraco, cada espaço pequeno demais ou que não tenha rampas de acesso e pensarei em Will Traynor e quantas outras pessoas que enfrentam os mesmos problemas que ele.

Perdoem-me se me prolonguei demais nessa análise. Juro, que era para ser um curto comentário, mas não consegui. Se alguém quiser conversar sobre o livro, dar opiniões, deixem nos comentários ou me mandem mensagens. Vou adorar discutir ideias e falar sobre esse livro que, a partir de hoje, é o meu terceiro livro favorito no mundo.




4 comentários :

  1. Oi Rebeca!
    Eu simplesmente amooo esse livro. Amo de verdade. A história de Will e Lou me tiraram boas lágrimas. Eu também demorei pra ler, mas no meu caso foi uma confusão mesmo. Minha amiga havia indicado a leitura desse livro primeiro, mas na correria acabei lendo A Garota Que Você Deixou Pra Trás no lugar desse rs. Mas depois que comecei, não consegui mais parar. É um livro que no meu ponto de vista não precisava ter continuação (Depois de Você). O mistério e o amor sincero entre os dois já bastava. Não acredito que Will teria uma decisão diferente se tivesse outra família, até mesmo porque depois de conhecer Lou, ele poderia ter mudado de ideia. Acredito que era uma decisão libertadora e no caso dele, que mesmo tendo riquezas, seria a que mais lhe traria paz. E concordo com sua atitude em relação ao Patrick...eu faria o mesmo kkkk
    Abs!

    http://ohqueridavalentina.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ju!
      Comecei a ler "Depois de Você" e não consegui continuar. De verdade.
      Mas depois de muito refletir, acho que concordo em partes com você... é duro admitir que foi melhor para ele... :'(
      Enfim, é uma história de amor e tanto...

      Vamos fazer uma capanha: We hate Patrick, haha.

      Beijocas,
      Rebeca Grauer.

      Excluir
  2. Estou como você estava, esperando a poeira ou onda baixar. Já vi resenhas positivas também, mas ainda não criei coragem de ler o livro, peguei ele uma vez, li o final, mas não o li por completo, hahaha. Mas logo, logo estarei fazendo isso, me renderei assim como você. Amei a resenha.

    Olha, te indiquei pra uma TAG lá no meu blog: http://eusouumpoucodecadalivroqueli.blogspot.com.br/2016/06/tag-doces-livros-docinhos.html
    Um abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah Mi, obrigada!

      Enfim, acho que sempre tem um dia em que temos que nos render a Moyes... Nem que seja um pouquinho só.

      Obrigada pelas indecações nas TAGs <3

      Excluir