21 de set de 2016

Parabéns, Stephen King! | Semana Especial Stephen King #04

Dia 21 de setembro de 1947, nasce um dos maiores gênios da literatura moderna, Stephen Edwin King. Tendo enfrentado uma infância conturbada, com várias mudanças e vários problemas de saúde, King e seu irmão mais velho Dave, encontraram nos livros uma forma de fugir da realidade. O problema é que os livros infantis não eram suficiente para King e então passou a ouvir programas de mistério e suspense no rádio, escondido de sua mãe e ler livros de Edgar Allan Poe e H.P. Lovecraft. 







Além de ler muito, desde cedo, o pequeno Steve já sabia o que queria fazer. Ele gostava de escrever. A primeira que leu uma de suas histórias, foi sua mãe, Ruth King e pagou por ela 25 centavos de dólares - o primeiro dinheiro que ganhou por escrever. Ele e o irmão ainda escreviam um jornal e vendia para a vizinhança, mas Dave foi perdendo o interesse e logo Steve que estava tomando conta de tudo.



foto: naointendo.com.br

Sua vida na escola não foi das piores, apesar de ser muito humilde, King "desarmava" a maioria das crianças que poderiam lhe causar problemas com seu carisma e senso de humor - sim, King é engraçado. 
Steve era um fã de revistas em quadrinhos e filmes de terror, ainda que estes não o assustassem por completo, King conta que "(...) gostava de abrir mão do controle emocional." e isso foi uma grande contribuição para ele escrever suas histórias.

Stephen King sempre teve muito medo, das coisas mais loucas, inclusive. Teve medo de cair no vaso sanitário, do escuro, de coisas gosmentas, de não conseguir escrever mais, do número 13 e (olha a ironia), o tio King tem medo de palhaços (mas escreveu um livro sobre, que a autora desse blog não consegue ler porque tem medo de palhaços). 




Conforme foi crescendo, Stephen mandava seus textos para diversas revistas e sempre a resposta era não. Até que em 1965, recebeu uma carta da revista Comics Review, dizendo que eles iriam publicar seu conto "I Was A Teenage Grave Robber" (Eu era um ladrão de sepulturas adolescente), sob o nome de "In a Half World Terror" (Em um meio mundo de terror), em troca de algumas edições da revista. Não importava se ele não iria receber dinheiro, o que importava é que finalmente ele havia conseguido.

Steve começou a faculdade - caso sua ideia de viver de escrita não fosse para frente, ele ainda poderia ser professor. Ele lia e escrevia sem parar, principalmente aqueles livros baratos, com capas "trash", que a maioria das pessoas chamavam de lixo, exceto para King, porque era esse tipo de "lixo" que ele queria escrever. Ainda na faculdade, conheceu sua futura esposa, Tabitha, a quem ele dedica a maioria de seus livros. Tabby, como é carinhosamente apelidada, também escrevia e o que é mais incrível: ela e Steve compreendiam a complexidade das palavras. Steve e Tabby se casaram, mas a vida ainda continuava difícil. Com dois filhos pequenos, falta de dinheiro, romances recusados e cheques ocasionais pelas histórias que ele publicava para revistas masculinas, Stephen King estava ficando estressado e começou a beber demais. Foi mais ou menos nessa época em que "Carrie, a estranha" nasceu.




King a princípio começou a história por causa de uma aposta com um amigo que disse que ele não escrevia nada do ponto de vista feminino. Inspirado em duas colegas de escola quando era adolescente e uma colega de serviço, quando trabalhava numa lavanderia, a história começou a ganhar forma: uma mãe religiosa e fanática e uma filha ridicularizada por seus colegas no vestiário depois de ter ficado menstruada e não saber o que era aquilo. Tabitha King foi o gatilho para Steve continuar, pois ele quis desistir e ela o encorajou. Finalmente em 1974, "Carrie, a Estranha" é publicado com louvor e King vislumbra a saída daquele limbo em que viveu por anos, as coisas começaram a dar certo. 

***
Atualmente, King conta com mais de 70 livros publicados entre: contos, não ficção, livros publicados sob o pseudônimo de Richard Bachman e, claro a série "The Dark Tower". Seus livros já foram adaptados ao cinema, teatro e televisão. 
Stephen King é um gênio moderno, nono autor mais traduzido do mundo e, com certeza o Rei do Horror.

fonte: Suma de Letras



Agradecimentos especiais Edilton Nunes do Stephen King Brasil

2 comentários :

  1. Ahh! Que texto incrível! Mesmo lendo só um livro dele até hoje, pude perceber o quanto esse cara é um gênio.
    Irônico ele ter medo de palhaços, não? hahaha. Eu acho palhaços tãão legais!!! Como chama esse livro que ele escreveu sobre?

    Beijos, Beca.
    http://cantinhodaescritablog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus que post maravilhoso! Eu sempre gostei muitos das obras do King, mas nunca fui procurar sua história pra ler. Adorei conhecer os medos estranhos dele hahah e saber que ele continuou escrevendo apesar de as coisas não terem sido fáceis. Para nossa sorte ♥

    www.fasesdealice.com

    ResponderExcluir