10 de fev de 2016

Olhai Os Lírios Do Campo | resenha.



Pensar em Érico Veríssimo é pensar em Olhai Os Lírios do Campo. O próprio autor afirmou que só depois do sucesso de seu best-seller é que pôde "fazer profissão da literatura". Segundo Érico, ele não gostava tanto assim  do romance, achava-o sentimental demais, mas creio que foi devido a esse sentimentalismo que o livro se tornou o sucesso que conhecemos hoje. 



A Ascensão de Genoca Calça-Furada 



Eugênio é um médico de origens muito humildes que desde sua infância lutou com um sentimento de inferioridade que o acompanhou até a vida adulta. Por mais que tentava não ficar pensando em seu passado, lutava com muitos fantasmas interiores que para sempre o assombrariam. 

Começamos no presente onde o Doutor Eugênio Fontes recebe a notícia de que sua amada Olívia está em fase terminal e deseja vê-lo. Ele que está na casa de seu sogro, na companhia de Eunice, sua fria e gélida esposa, arranja um pretexto para correr até a cidade.
Por mais que o motorista corra o percurso dura mais ou menos três horas, e durante todo este tempo, Eugênio lembra de vários fragmentos de sua vida e reflete sobre suas escolhas. Pensa em sua infância pobre nos colégios em que o pai mal tinha dinheiro para comprar-lhe roupas; mais tarde quando vê o professor amigo, morto, depois de seus próprios fantasmas o vencerem; lembra do primeiro amor e de Olívia. Aquela moça que a primeira vista não tinha atrativos nenhum, mas que depois de um tempo tornou-se sua melhor amiga e sua amada confidente. 
Olívia também é médica. Ele não sabe, mas ela o ama com tanta intensidade que não o impediu de casar-se por interesse com a filha herdeira de um rico empresário. Após esta notícia Olívia parte de vez para Nova Itália deixando Eugênio viver sua vida sozinho. 
Após três anos Eugênio lê uma nota no jornal: Olívia está de volta! Ele precisa encontrá-la! Pensa nela o dia todo e decide ir até a antiga amiga. Ao chegar Olívia o esperava, dizia que tinha um pressentimento e que sabia que ele iria naquele dia. Prosearam e Eugênio a questionou se ela o amava e por que havia lhe deixado partir. Ela por sua vez disse que se o tivesse impedido ele passaria a vida toda arrependido questionando a si mesmo se a sua felicidade não estaria nos braços de Eunice Cintra. 

" Beijou as mãos de Olívia. Depois olhou-as bem de perto, examinou-as com muito cuidado, como se quisesse verificar se elas eram mesmo reais, e não mãos de fantasmas ou de uma figura de sonho. Olívia acariciava-lhe os cabelos muito de leve. Eugênio sentia-se feliz, uma felicidade tonta, inesperada, um pouco sufocante. Mas naquele paraíso surgiu a imagem de Eunice. Sintra também apareceu, rindo a sua risada lenta e baixa. Isabel chorava. Ele ainda não estava salvo. "

Estava inquieto, sentiu um pesar nas costas, imaginou a amiga na Nova Itália sozinha, sem ninguém para conversar... Ela abriu um sorriso e respondeu que ele havia deixado a melhor companhia e o melhor presente para lembrar-se dele. Puxou-o pelas mãos e apresentou-lhe a filha Anamaria, que naquele instante dormia ao lado da cama da mãe. 
Então, depois daquele dia passou a visitar a filha todos os dias, passeavam de mãos dadas ao luar e ele lhe levava brinquedos, mas sabia que tinha que fazer uma escolha. Eugênio não é feliz, quer libertar-se de tudo aquilo que o faz sofrer, porém renunciar sua vida é renunciar sua carreira e sua riqueza. Será que ele está disposto a fazer isso? 
Então ao passo que se fazia essa pergunta chegaram ao Hospital Metropolitano e ele entrou em disparada para encontrar a amada, tinha esperanças que ela estivesse viva, no meio do caminho encontrou a enfermeira conhecida, que por sua vez deu-lhe a triste notícia que Olívia tinha falecido a pouco e o corpo já estava sendo velado. E naquele instante soube que teria de fazer uma escolha. Será que Eugênio vai escolher a filha? Ou será que ele vai preferir ficar com seu nome e sua vida abastada? Você vai ter que ler para descobrir (DICA: separe muitos lenços de papel).

***



Uma professora um dia me disse que para entendermos os clássicos devemos entender o que se passava na época em que foi escrito, creio que pensando nisso a Companhia das Letras lançou uma edição comemorativa que fala um pouco dos movimentos que aconteciam na época. Eu particularmente adorei, pois assim nós não ficamos perdidos no tempo, os mais jovens principalmente. 
A leitura não é confusa, mas um pouco exaustiva. Érico nos faz refletir sobre os impulsos humanos e como nossas escolhas influenciam o que nos tornamos. Traduz muito bem os sentimentos para palavras. Eugênio Pontes é reflexo de uma sociedade preconceituosa e ao mesmo tempo, materialista aonde vale tudo para conseguir o que queremos. 

Título Original: Olhai Os Lírios do Campo
Autor: Érico Veríssimo
Data de Publicação: 1938 
Número de Páginas: 273 
Classificação: Romance; Literatura Brasileira
Editora: Companhia das Letras
Aonde Comprar:


Nenhum comentário :

Postar um comentário