3 de fev de 2016

Assassinato No Campo De Golfe | resenha.



No meu ensino fundamental tive professores que eram odiados pela maioria e amados por mim; aqueles que eram amados pela maioria e odiados por mim, mas também tinham os casos que eram unanimidades e todos gostavam, entre eles estavam o professor de história e a professora de matemática. Ela entrou na minha vida na sexta série e permaneceu com a nossa turma até a oitava e foi uma das únicas prôs de matemática que eu gostava/aprendia alguma coisa. Professora Jocely é daquelas pessoas de fácil conversa e que sempre tinha uma história para contar e foi por intermédio dela que eu conheci a Rainha do Crime.

Agatha Christie (1890 - 1976), britânica, escreveu sua primeira história policial com 26 anos e com a história nascia também o nosso querido detetive belga Hercule Poirot. Com mais de 80 livros publicados e diversas adaptações para a TV, Agatha é a responsável por diversos personagens marcantes e histórias que nos entretêm por horas. Seus livros em geral não são longos e apesar de os personagens serem os mesmos as histórias são distintas. Assassinato No Campo De Golfe é o segundo livro no qual Poirot e seu parceiro Hastings são protagonistas de um assassinato meticulosamente planejado.




"Diabo! - disse a duquesa"



Hastings está num vagão de trem com uma moça - que não era duquesa - jovem e atrevida. Conservador, como britânico que é, ficou transtornado por tal exclamação sair da boca de uma jovem moça tão bela. Percebendo o espanto de seu companheiro de vagão resolveu puxar assunto e logo o homem caiu nos encantos da menina que queria ser chamada como Cinderela. Separaram-se e cada um foi ao seu destino, mal sabendo eles que ainda se veriam muitas vezes.
Na manhã seguinte, Hastings foi ao encontro do seu amigo Poirot que tinha recebido uma carta de um milionário sul-americano pedindo seus serviços com extrema urgência, o detetive de imediato aceitou o caso e partiu ao encontro de seu cliente.
Chegou a mansão dos Renauld para ouvir a trágica notícia de que o homem solicitante havia sido assassinado naquela mesma manhã com uma apunhalada nas costas. Sua esposa estava amarrada e amordaçada no quarto do casal alegando que dois homens muito barbudos sequestraram seu esposo e depois não teve consciência de mais nada.  As três empregadas da casa, o jardineiro e o motorista de nada sabiam e o filho saíra uns dias antes para tratar de assuntos de negócios a pedido de seu pai.
Vários personagens entram em cena, entre eles um detetive francês de 30 anos que se julga superior e insulta a experiência e sapiência de Poirot com "métodos atuais", enquanto Poirot apenas se atenta a coisas que a primeira vista parecem sem importância, mas o detetive é muito perspicaz e usa a lógica como maior aliada.
Infelizmente por uma falha de Hastings e um coração que fala mais alto, a arma do crime some e reaparece no corpo de outro morto, deixando todos ainda mais chocados com a história toda. Parece ser um crime já resolvido, mas Poirot não acredita nisso. Ele tenta descartar todas as possibilidades e ao invés disso encontra a conexão desse crime com um outro cometido a mais de 20 anos atrás deixando a história cada vez mais intrigante e confusa.


***
Como meu primeiro livro de Agatha fiquei impressionada com sua escrita e o desenvolvimento de sua história. Impressionada em como ela lança várias pistas no ar e ao final o assassino era alguém completamente fora de suspeitas.
Ler Agatha Christie é entrar no túnel do tempo, aonde os carros ainda eram poucos, duques e duquesas e chá das cinco ainda eram costumes.

(ah, as minhas edições são da Best Bolso, comprei na Saraiva por R$ 15,00)


Título Original: The Murder On The Links
Editora:
 Círculo do Livro
Ano de lançamento no Brasil:
 1984
Autor: Agatha Christie
Número de Páginas:
 215
Aonde comprar:
Sebo Pacobello - R$ 10,00  

Nenhum comentário :

Postar um comentário