19 de set de 2016

[resenha] Misery - Louca Obsessão | Semana Especial Stephen King #02

"FANATISMOé o estado psicológico de fervor excessivo, irracional e persistente por qualquer coisa ou tema (...). É extremamente frequente em paranoides, cuja apaixonada adesão a uma causa pode avizinhar-se do delírio." (fonte: Wikipedia).





Misery entrou na minha vida em 2014 e durante três dias eu não o larguei por nada. Carregava o livro aonde quer que eu fosse. Apesar de não haver elementos sobrenaturais, o livro é extremamente pesado, com cenas icônicas que fez dele um sucesso.


Annie Wilkes é o tipo de pessoa que ninguém quer por perto, o tipo de pessoa perturbada que ultrapassa os limites da sanidade e o tipo de fã que ninguém gostaria de ter em sua vida.  


Sua maior fã no mundo inteiro. Sua fã número UM!





"Paul Sheldon é um famoso escritor que finalmente encontrou sua maior fã. Ela se chama Annie Wilkes, e é mais do que uma leitora voraz: é a enfermeira de Paul, pois cuida dos ferimentos que ele sofreu num grave acidente de carro. Mas Annie também é a carcereira de Paul, mantendo-o prisioneiro em sua casa isolada. Agora Annie quer que Paul escreva sua obra prima, mas só para ela. Annie tem vários métodos para incentivá-lo. E, se nada funcionar, ela poderá ficar ainda mais perigosa."



Paul Sheldon finalmente terminou sua história com Misery, literalmente. Sente que tirou um peso de anos na suas costas e agora quer apostar em algo novo e completamente diferente de Misery Chastain. Após terminar o manuscrito de seu novo romance, Paul resolve sair em meio a uma premissa de nevasca e o resultado? Um acidente de carro. Paul descobre isso tudo não por suas próprias lembranças enevoadas, mas pela sua narradora/"salvadora", Annie Wilkes - a fã número um. 

A princípio ele não se lembra de nada e tem algumas paradas cardíacas, mas Annie, sua enfermeira, sempre estava lá. Descobriu que sua perna estava muito machucada e para passar a dor, durante as duas semanas que ele permaneceu desacordado, ela ministrava um remédio chamado Novril* que o livrava de toda dor. Mas seu subconsciente avisava a Paul que tinha algo de errado naquela situação toda. Por que ele não estava em uma cama de hospital e sim em uma cama de um quarto, numa fazenda afastada da cidade? Aonde estariam os médicos? Porque ninguém havia procurado por ele ainda? As respostas infelizmente vieram aos poucos, mas uma coisa era certa: Annie era louca!
Paul logo entendeu que teria de fazer o que ela quisesse se ele pretendia sair vivo daquilo tudo e sabia que ela não iria liberá-lo assim tão fácil. Annie seria capaz de qualquer coisa para manter Paul ali e sua primeira ação, foi viciá-lo em Novril. 

Enquanto os dias foram se passavam, menos tinha esperança de sair, Annie se mostrava mais inconstante e ele se afundava mais em seus vícios. Porém um belo dia, Annie aparece furiosa e com uma máquina de escrever e naquele instante Paul soube que sua vida estava mais no limite do que jamais estivera. Insatisfeita com o desfecho de "O Filho de Misery" e com o novo manuscrito intitulado "Carros Velozes", Wilkes decide que ele terá de escrever uma nova história de Misery só pra ela e do jeito que ela quiser, caso contrário, martelos, partes de corpo mutiladas e remédios na privada seriam apenas o começo do fim de sua vida. 


***


"Louca Obsessão" é ótimo porque King nos mostra o quão doentia é a mente humana. Não há fantasmas, demônios, criaturas ou nada assim, mas há Annie e sua mente perversa e louca. Stephen King nos prova mais uma vez que os piores monstros são os seres humanos. 

Misery foi adaptado aos cinemas em 1990 e creio que foi uma das melhores adaptações dos thrillers do King. Kathy Bates (Annie Wilkes) conseguiu encarnar a vilã maluca direitinho e o filme consegue ser tão angustiante quanto o livro. 
Kathy B. em Misery (1990)
Em "Sobre A Escrita", King revela que o livro foi inspirado em si próprio, uma vez que estava sendo mantido "em cárcere" pelas drogas e álcool, ele afirma, que "Misery" foi seu grito de socorro.
Misery é aquele livro com selo King de qualidade e é mais uma das provas que Stephen King é o mestre do terror.  


Título Original: Misery
Autor: Stephen King 
Ano de Publicação: 1987
Nº de Páginas: 326
Editora: Suma de Letras
Gênero: Suspense; Terror.
Nota: 5/5

3 comentários :

  1. Pela resenha, esse livro parece uma daquelas histórias que não conseguimos parar de ler, e ficamos constantemente angustiadas para saber o que irá acontecer!
    Ainda mais se tratando de um assunto ''real''.

    Enfim, que venha mais postagens sobre ele!!!

    Beijos.
    http://cantinhodaescritablog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E bota angustiante nisso (trocadilho com o nome, haha).
      Depois da uma procurada no filme pra você ver.

      Obrigada por acompanhar, amiga.
      Beijocas <3

      Excluir
  2. Olha eu aqui lendo mais uma resenha desse livro que já ta me deixando nervosa só por esperá-lo chegar hahaha eu confesso que terror não é o meu gênero favorito. Sou muito medrosa, depois fico tenso pesadelos com a história e tals. Mas eu não resisto mais do King! Já li taaantas resenhas, posts, artigos, sobre ele e seus livros que fui obrigada a comprar Misery ahahaha ta obrigada foi um exagero. Mas não vejo a hora de devorar esse livro porque já vi que o lerei rápido também kkkk parabéns pela resenha. Sempre muito bem escrita! Beijos
    Tamara
    tamaravilhosamente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir