23 de mai de 2016

Christine | resenha.



Adquiri Christine em 2012, mas antes disso, praticamente dois sábados ao mês, assistia a adaptação do livro na Record (seguido de meninas apimentadas). Enfim, já conhecia a história, mas nada melhor do que conhecer a história direto da fonte.





Entretanto, o destino nos prega peças, não é?! Pois bem, em 2012, eu simplesmente não conseguia ler. Achei chato, monótono e (pasmem!) eu desisti. Quatro anos depois, numa tentativa de ler os livros que estão parados na minha prateleira, resolvi que iria desenterrar Christine e já devo adiantar que foi uma das melhores coisas que eu fiz.

Meu exemplar é um velhinho lindo, sendo uma das primeiras edições laçadas no Brasil e as páginas amareladas deram um toque de veracidade à história.




Canções adolescentes sobre carros, amor e morte.

 
 
"Arnie Cunnigham era um perdedor. Rosto coberto de espinhas, desajeitado com as garotas, magro demais, passava os dias pelos corredores da escola, tentando fugir da gozação dos colegas. Isso até Christine - personagem que dá
nome ao livro - entrar em sua vida. Amor à primeira vista. A partir desse dia, o mundo ganha novo sentido. Tudo o que Arnie quer é estar junto de Christine. Mas não se espere um novo Romeu e Julieta, tratando-se da mente assombrosa de Stephen King. Christine é um carro. Um Plymouth Fury 1958. Um feitiço sobre rodas que se apodera de Arnie e faz dele alguém diferente. Há algo poderosamente maligno solto pelas estradas de Libertyville. Uma força sobrenatural que vai deixando seu rastro de sangue por onde passa."
 
Arnie e Dennis são dois amigos desde sempre, suas famílias se conhecem, cursam o colegial juntos, fazem praticamente tudo juntos. Arnie sempre foi um bom menino, estudioso, frequentava o clube de xadrez, fazia curso de mecânica, tirava ótimas notas... Entretanto, era feio, nunca tinha tido uma namorada, seu rosto tinha tanta espinha que o chamavam de Cara de Pizza. Mas tudo isso ia mudar, para sempre!
 
Os dois amigos estavam no carro de Dennis, quando Arnie deu um grito e pediu ao outro que voltasse. Como Arnie Cunningham tinha um ótimo senso de humor, Dennis julgou ser brincadeira, mas bastava olhar como Arnie tinha ficado fissurado para notar que não era nenhum tipo de piada. Voltaram até o local indicado e lá estava, um Plymouth Fury 1958 vermelho, completamente deteriorado e quebrado, mas Arnie parecia sequer notar, foi naquele instante que Arnie e Christine se apaixonaram. À primeira vista.

Quebrando o encantamento do momento, Roland LeBay apareceu com sua calça verde do exército, falta de humor e palavreado chulo, indagando os meninos que estavam bisbilhotando o carro. Quando Arnie disse que queria comprá-lo, a face do velho se transformou e ele prontamente falou o valor que queria. Como o menino não tinha o valor total, entregou um sinal e ficou de entregar o restante no dia seguinte. Dennis definitivamente não se sentia à vontade com aquela história toda, foi antipatia à primeira vista.

No dia seguinte foram buscar o carro com LeBay e enquanto Arnie entrou com o velho para pegar o recibo, Dennis ficou inspecionando o Plymouth, deu uma olhada em volta do carro, debaixo do carro e finalmente dentro do carro, então, como se fosse mágica, tudo parecia novo de novo e tinha até um cheiro de couro, mas o mais estranho foi que Dennis parecera ter ouvido Christine falar com ele: "Vamos sair daqui e dar uma volta garotão... Vamos rodar por aí."
Ignorando todos os impulsos, Dennis saiu do carro e só entrou nele quando era estritamente necessário. Arnie, ao contrário, ficou estático, apaixonado, vivia Christine, respirava Christine, trabalhou nela incansavelmente, manchas pretas ao redor dos olhos e dores pelo corpo, até que...

Durante todo o período que estava com Christine, se afastava do resto das pessoas, não aceitava que ninguém falasse mal de seu amado Fury. Um belo dia, se meteu em confusões com valentões da escola e eles resolveram dar uma lição em Arnie acabando com Christine. Como ele não podia estacionar em sua casa, estava alugando uma garagem pública, e apesar dela ser vigiada o "guardinha" era um dos amigos da turma de Buddy Repperton. As pessoas que viram podiam jurar que Christine nunca mais iria rodar, portanto estavam errados. Em um curto período de tempo, ela estava como nova... Até melhor.

Um a um, os encrenqueiros foram brutalmente assassinados, sempre com um carro envolvido, porém, Arnie nunca estava presente. Afinal, poderia ele estar em dois lugares ao mesmo tempo? Ou será que ele tinha um cumplice? O mais estranho é que Christine estava intacta. Sem um arranhão, amassado ou marca de sujeira. Sendo mistério ou não, o fato era: tinha algo de errado com aquele Plymouth Fury. Desde quando pertencia a Roland LeBay o carro tinha algo de sinistro e mortes envolvidas. Passado que Arnie Cunningham fazia questão de ignorar, presente que Arnie Cunningham tinha certeza de que sua Christine nada tinha a ver... Mas então... Como Arnie tinha machucado as costas?

***
 
Stephen King faz até as coisas mais simples parecerem assustadoras. Como já havia lido Buick-8, pensei que o livro iria se desenrolar da mesma forma, entretanto em "Christine", ele explica tudo nos mínimos detalhes, não deixando nada encoberto.

Assustador e intrigante, pois há várias situações corriqueiras que King descreve que nos faz pensar duas vezes ao andar na frente de um carro estacionado tocando músicas antigas.





Título Original: Christine
Autor: Stephen King
Ano de Publicação: 1983
Nº de Páginas: 552
Editora: Nova Cultural (relançado pela Suma de Letras)
Classificação: Terror; SuspenseAonde Comprar:
- Livraria Pacobello


 

3 comentários :

  1. Antes de ler a resenha toda, jurava que ''Christine'' era uma moça hahaha. Preciso encontrar os livros do King na biblioteca aqui da cidade! Adorei a resenha, Beca!

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, mas Lidi "Carros são garotas"!
      Você vai adorar! Tenho certeza!

      Beijocas <3

      Excluir
  2. Eita, mais um livro do King! Dança hahaha já tinha ouvido falar do livro e do filme, mas nunca tinha pesquisado mais. Eu acho que a história é legal, mas não me chamou a atenção :( Pretendo ler, mas n estou desesperada para isso como outros livros do king.

    Abraços
    www.curiosametamorfose.blogspot.com.br

    ResponderExcluir